Colônias de imigração suábia: a Europa no Centro Sul do Paraná

Duas horas da tarde de uma quinta-feira de janeiro. O céu está nublado e apenas o som feroz dos caminhões atrapalha o coral dos pássaros que ficam eufóricos por pensar que a chuva vem. Fotos antigas, sobrenomes estrangeiros e frases repetidas. É o que eu encontro naquela quadra circundada por plantações. A poucos metros de um monumento de Jesus Cristo crucificado é possível ver o verde crescente da soja que começa a se desenvolver a partir da mesma terra que também guarda a morte. A natureza absorve o que precisa para que a ressurreição ocorra.

Eu sinto estar em um local um tanto diferente, porque todas as placas são bilíngues. Português primeiro. E alemão na sequência. Preciso confirmar no dicionário do smartphone que “Hier Ruht in Frieden” quer mesmo dizer “Aqui Descansa em Paz”, como imaginei. Franz Leh (1905-1963), Peter Kaiser (1909-1967), Christina Wilk (1909-1983), Gerg Marx (1937-2006), Josef Seitz (1927-1988). Todos eles foram enterrados em covas discretas, sem grandes diferenças entre elas, mas nenhum deles dorme pela eternidade perto do lugar onde nasceu.

placas
Placas bilíngues | Foto Scheyla Horst

O distrito de Entre Rios é parte do território de Guarapuava, cidade localizada no Centro-Sul do Paraná. Saindo da sede do município pela PR 170 são necessários 15 km para atingir o trevo de acesso à Colônia Samambaia, onde encontrei o primeiro cemitério. Além dessa, existem outras quatro colônias eslavo-germânicas: Jordãozinho, Vitória, Cachoeira e Socorro. Elas mantêm os nomes das fazendas ali adquiridas na década de 1950 durante negociação do governo brasileiro com a instituição filantrópica Ajuda Suíça para a Europa, ou Schweizer Europahilfe. A imigração suábica completa 64 anos em 2016.

Arquitetura e cultura

eventos
Cursos ensinam dança, música e outras expressões para todas as faixas etárias | Foto Scheyla Horst

Basta uma volta pelas colônias para perceber que os suábios querem preservar a sua cultura. Seja nas aparências das casas, seja na gastronomia ou no idioma. E é por causa desse desejo de regar as raízes que a cooperativa mantém a Fundação Cultural Suábio-Brasileira, mantida pela Cooperativa Agrária. A instituição oferta cursos de música, de dança, administra o museu e promove eventos onde a comunidade exibe trajes típicos.

Museu Histórico de Entre Rios

fundação
Centro Cultural, na Colônia Vitória, abriga o museu e setores da fundação | Foto Scheyla Horst

Há alguns anos foi reinaugurado o Museu Histórico de Entre Rios, que guarda objetos, documentos, roupas, fotografias e tudo o que possa trazer à lembrança tanto o processo imigratório quanto o modo de vida dos pioneiros. Trata-se de uma estrutura moderna. Além da biografia daquele povo, a instituição possui aparelhos com jogos de perguntas e respostas a respeito da história. Os “estrangeiros” precisam pagar R$ 5 para conferir o acervo. Os cooperados e descendentes têm acesso livre.

Gastronomia

Os pratos típicos geralmente são apresentados aos visitantes nas festas tradicionais, como por exemplo na Festa da Cevada ou no ritual folclórico Maibaum, ou Árvore de Maio, que ocorre no primeiro dia daquele mês e celebra a colheita. Todos os anos, a cooperativa organiza o evento, que arrecada fundos para o hospital e fundação. O ponto alto das festividades é o levantamento de um mastro enfeitado com guirlandas e fitas coloridas. Então, acontecem apresentações culturais e almoço coletivo. Na ocasião, os moradores do distrito vestem roupas que fazem referência ao antigo modo de vida do povo.

Donau Bier!

Donau Bier, na Colônia Cachoeira, é uma cervejaria constantemente frequentada. O chope é produzido ali mesmo, todas as tardes, com a norma de qualidade alemã Reinheitsgebot, que utiliza apenas água, malte e lúpulo, ou seja, o mesmo estilo do século 16. Ao me sentar numa das mesas, logo vejo se aproximar uma atendente que usa um vestido nostálgico e deixa o cardápio e um sorriso. Em uma mesa próxima, duas amigas idosas bebem chope e falam em alemão, uma cena inusitada.

cervejaria
Cervejaria está localizada na Colônia Cachoeira | Foto Scheyla Horst

As opções inevitavelmente envolvem produtos suínos, como o Eisbein, que se traduz num prato com joelho de porco, chucrute e purê de batatas. Salsichas, salames e molhos fortes integram a tábua de frios. Como entrada, dá para pedir um pão com banha (!). A sobremesa é cativante. Apfelstrudel – ou folhado de maçã – acompanhado de uma generosa bola de sorvete de creme. Uma mulher me conta que é uma receita demorada: a massa precisa descansar bastante tempo, e não adianta querer que seja de outro jeito.

Links úteis

Site da Cooperativa Agrária

Site da Prefeitura de Guarapuava

Destino: Distrito de Entre Rios e suas colônias de imigração suábia
Onde fica? Guarapuava, Paraná – 280 km de Curitiba (PR)

 

Anúncios

1 comentário Adicione o seu

  1. Suzane disse:

    Eu passei por Guarapuava quando voltava de Foz, não sabia da existência das colônias.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s