A incrível siesta de Posadas

Depois do meio-dia, o comércio fecha as portas, assim como museus, departamentos burocráticos e até mesmo mercados. O fenômeno é interessante quando visto por uma viajante desavisada que acreditava que iria passear pelo Centro exatamente após o almoço. Precisei sentar na grama da praça em frente à catedral, em baixo das árvores, e esperar tranquilamente, pois o senhor dono do Sebo abriria seu estabelecimento somente às 16h. O sol brilhando exatamente em cima da minha cabeça não me incentivava a circular sem rumo por ruas que ficaram quase desertas naquele horário. A siesta é seguida ritualisticamente em Posadas, uma cidade simpática da Argentina, localizada na região de Misiones. Tanta tranquilidade é regada a mate quente, mesmo próximo ao verão. Por todos os lados, posadeños carregavam térmicas e pequenas cuias.

Posadas - panederia
Charme de Posadas explícito numa tradicional panificadora | Foto Scheyla Horst

Posadas é capital de Misiones e fica na fronteira entre a Argentina e o Paraguai. O que separa os países é o Rio Paraná, atravessado pela Ponte Internacional San Roque González de Santa Cruz, que liga a cidade argentina a Encarnación. Um calçadão foi construído nas margens do rio e é possível caminhar por ali durante bons quilômetros, tanto para fazer exercício quanto para prestigiar a beleza de um lusco-fusco, que, numa das tardes de novembro em que estive por lá, coloriu a água e também meus pensamentos. Trata-se da famosa “Costanera”, que reúne vários restaurantes e barzinhos.

Ali perto existem ainda vendedores ambulantes que foram organizados em feiras e oferecem à clientela produtos eletrônicos e artesanatos.

Posadas - Costanera
Uma ponte separa Posadas (AR) de Encarnação (PY) | Foto Scheyla Horst

Nos cafés e panederias é possível encontrar boa parte das delícias gastronômicas argentinas bem apreciadas por brasileiros, com destaque para chipas (ou chipitas como carinhosamente são chamadas por lá), medialunas, dulce de leche (comi um sorvete inesquecível), mate cocido com leche e as maravilhosas empanadas (adoro a de queijo com cebola, hm…) muito bem acompanhadas por um vinho com gelo!

Posadas - sorvete
O ingrediente adorado da culinária argentina: doce de leite! | Foto Scheyla Horst

Caminhar pelas ruas de Posadas é se encantar a cada esquina. As casas são belas, têm personalidade e parece uma regra divulgarem os números de forma customizada, seja por meio de azulejos ou de outros materiais criativos que inevitavelmente chamam a atenção dos estrangeiros.

Posadas - casas
As casas têm personalidade, por isso, nem os números são iguais | Foto Scheyla Horst

Apesar de ser uma capital importante, possui uma população pequena, de cerca de 400 mil habitantes se somada também a região metropolitana. Por isso, os motoristas dos transportes públicos ainda não se estressam ao dar informações.

Viajei a Posadas por motivos acadêmicos, para participar de um congresso no campus da Unam (Universidad Nacional de Misiones). Fomos em um grupo de nove pessoas, por isso, partimos de ônibus da rodoviária de Puerto Iguazu (fronteira com Foz do Iguaçu, no Paraná). São cerca de 300 quilômetros com várias paradas, mas que acabam sendo percorridos de maneira confortável porque os veículos de lá são todos modelo “leito”.

Posadas - igreja
Muitos posadeños aguardam o fim da siesta sob as árvores da praça | Foto Scheyla Horst

Em virtude de a capital estar perto da tríplice fronteira, a relação dos moradores de Posadas com a cultura brasileira é surpreendentemente próxima. Muitos deles acompanham há tempos a programação da TV Globo e sabem conversar a respeito de músicas da Xuxa e de enredos das principais novelas. Sendo assim, também arriscam palavras em português e a comunicação ocorre tranquilamente. O portunhol é bem aceito naquela região! Dá para se aventurar no espanhol sem medo de ser feliz.

Posadas - fronteira
Posadas mantém uma relação comercial e cultural próxima com o Brasil | Foto Scheyla Horst

Naquela semana, nosso guia foi um homem simpático e generoso, chamado Claudio. Ele, Mariela e Felipe nos ajudaram em muitas ocasiões e se tornaram nossos amigos. O intercâmbio cultural nos ajudou a conhecer diferentes possibilidades de viver a universidade e o interesse deles pela economia solidária também nos chamou a atenção. Afinal, viajar nos ajuda a ver as pessoas e o mundo sob um novo prisma, diminuindo distâncias e ampliando nosso horizonte.

oração
Pedido de oração deixado em post-it na porta de uma igreja | Foto Scheyla Horst

Foi Claudio quem me disse que a siesta não ocorre apenas pelo sono (rs), mas também porque o calor é muito intenso em Posadas. Assim, os comerciantes fecham as portas nas horas de pico do sol e abrem depois, quando o tempo fica ameno, recebendo o público até mais tarde. Bom, não importa o motivo da interrupção abrupta no meio da rotina, o que importa é que ela nos mostrou que o território missioneiro tem muito de vagareio em sua essência!

Posadas - centro cultural
Posadas é uma capital tranquila que ainda guarda simpatia e cordialidade aos visitantes | Foto Scheyla Horst

Links úteis

Municipalid de Posadas

Turismo Posadas

Ficamos no Desiderata Hostel, na margem do Rio Paraná, o que nos garantiu uma bela paisagem e atendimento cordial!

Universidad Nacional de Misiones

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s